sábado, 13 de agosto de 2011

ÍTALO ROSSI DEIXOU SAUDADES.













Nesta última terça-feira 2 de agosto de 2011 morreu aos 80 anos o ator Ítalo Rossi. O corpo  foi enterrado na tarde de quarta-feira (3), no Cemitério Municipal São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio.  Segundo os médicos, complicações respiratórias foram a causa da morte. A nossa cultura ficou menos rica com a morte deste monstro sagrado chamado Ítalo Rossi que ao longo de sua carreira foi chamado de o maior ator brasileiro.

Numa cidadezinha do interior de São Paulo chamada Butucatu nasceu Ítalo Balbo Di Fratti Coppola  mas precisamente  no dia 19 de Janeiro de 1931. Estreou seu primeiro trabalho  com a peça  a Casa de Chá do luar de Agosto (1956), recebendo da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, ABCT o prêmio revelação de ator. Juntamente com atores ilustres como Fernando Torres, Sergio Britto e Fernanda Montenegro  fundou o Teatro dos Sete,  onde ficou atuando por  seis anos.
A vaidade deste ator ficou estagnada no teatro onde passou a maior parte da sua vida, atuou em várias peças e em 1963 estreou em novelas na estinta tv Rio, e participando também de muitas novelas como “Escrava Isaura”, “Belíssima”, “Que rei sou eu” e “senhora do destino”  na tv  globo. Foi uma pessoa que teve problemas com bebidas e que fumava dois maços de cigarros por dia  mas  isso nunca foi motivo para que desvencilhasse daquilo que mais gostava que era atuar. 
                                              

    














Concordo com hildegard Angel quando ela disse em seu blog,  que a biografia desde belo ator não pode se  resumir apenas no último trabalho em toma lá dá cá como o personagem “Seu Laudir” A biografia desta fera teatral deve ser bastante extensa pois assunto é que  não faltará. Um ator que foi digno de três  prêmios Molière, o mais importante das artes cênicas no Brasil, não pode e nem deve ser lembrado apenas pelo seu último personagem. As telas de cinema também tiveram o brilho de Ítalo em que participou de 20 longas-metragens, incluindo "Uma vida para dois" (1953), "O pão que o diabo amassou" (1957). "Aderrota" (1967), "Cara a cara" (1967), "Doida Demais" (1989) e o recente "Sexo com amor?" (2008). A trajetória nos palcos dos teatros e nas telas de tv, foi retratada no final de 2010 no livro "Fotobiografia de Ítalo Rossi".
Rossi  estava dirigindo a peça "C'est la vie", escrita por Marcelo Rubens Paiva. Segundo a parceria do ator, a peça é baseada em histórias reais do Disque Denúncia e nasceu de uma idéia do ator. "Ele imaginava levar ao palco uma coisa diferente, mostrando um universo atual e usando um autor jovem contemporâneo", A diretora Ester Jablonsky  conta  que  a produção fazia parte das comemorações dos 80 anos do ator e diretor. O assistente de Rossi no projeto, revela que planeja dar continuidade à produção mantendo fidelidade às idéias do ator veterano. A parceira de Rossi ressalta que a data de estréia da peça teatral será mantida, marcada para 15 de outubro, no Festival Internacional de Teatro de Angra, no Sul Fluminense. Em seguida, a atração deve entrar em cartaz na Casa da Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Com certeza será um sucesso de público em homenagem a este grande ator.

 Por: Nice Abreu @falemulher




Nenhum comentário:

Postar um comentário