domingo, 31 de julho de 2011

Bolsa de mulher sendo grande ou pequena  Nunca cabe o que a gente precisa.  




 Como dizem os muçulmanos Manara é uma mulher espetaculosa,  é uma amiga do coração. Ela me chamou para fazer compras,  eu  pensei: eu sei que vou me  extressar mas resolvi acompanhá-la  Tinha mesmo que comprar o presente de aniversário dela. Agente sabe muito bem que o melhor presente é aquele que tem haver com a pessoa, não importa o valor material mas sim, o afetivo, o carinho que aquele presente pode representar para quem o recebe. Não sei vocês, mas eu sou completamente contra em receber presente para a casa no dia do meu aniversário, não me dê porque não gosto, não vou ser hipocrita em  dizer que adorei, pois, minha decepção estará estampada em meu rosto, estarei com vontade de esganar a pessoa que me fez a gentilesa de me presentear com utensilios para casa. Gosto de receber presente para mim, para meu uso pessoal,não para dividir com alguém.

Andamos muito pelo centro, por copacabana, catete mas nada a agradou,  fomos parar na feira da Rocinha. Lá sim, era o território dela, tinha de tudo  que ela gostava. Vestido de oncinha, sapatos coloridos, maquiagens exoberantes, calças apertadas, aquelas que modela o corpo como se você  fosse uma modelo. Coloca tudo em pé mas quando tira sai de baixo, é decepção na certa, mas isso não interressa agora, quem sabe falaremos disso em outro assunto. Depois de tanta procura encontrei  o presente da minha querida Manara, encontrei uma bolsa  que era a cara dela. Uma bolsa dourada e grande, tão grande que além de ser muito chamativa iria caber tudo o que ela precisa. Nós mulheres gostamos e bolsa grande não é mesmo? Manara é uma mulher exoberante,bonita, geniosa mas muito indecisa por isso andamos tanto para encontrar o que ela queria.

 Manara recebeu o presente e como eu disse acertei no gosto dela,  adorou a bolsa. Retirou tudo o que ela tinha  da velha e colocou tudo naquela que ofuscava os olhos de quem passava. Era tanta coisa que ela colocou dentro do seu presente que cheguei a conclusão que não  importa o tamanho da bolsa que carregamos porquê teremos como enche-las de apetrechos e sempre fica a desejar-- nunca cabe o que a gente precisa. Embora não pareça,  nós precisamos de tudo o que tem dentro dela, isso mesmo, tudo.

 Bom! Depois de tudo dentro da bolsa nova ela me pediu para levà-la. Fomos andar mais um pouco para que ela pudesse comprar o que procurava. Olha! Fiquei extressada com aquele vai e vem, uma multidão de pessoas aglomeradas a procura não sei de que, mas todos procuravam alguma coisa. Tinha tanta gente andando mas todos só encontravam a bolsa de Manara. Esbarrava nela a toda hora não sei se era de propósito ou se era por falta de espaço,só sei que aquela agonia foi me deixando de saco cheio.  Eu prendia aquele objeto debaixo do meu braço, andava de lado, passava no cantinho, fazia de tudo para driblar os esbarrões mas de nada adiantava eles me atropelavam. Parecia que era de propósito por mais que eu fugia , mais esbarrões eu levava. Depois deste extresse todo,  eu cheguei a uma conclusão. Bolsa grande nunca mais. Sera?

terça-feira, 12 de julho de 2011

Crônica: O amor vale pra qualquer pessoa.

Eu estava completamente descrente quanto ao sentimento "Amor" até me deparar com uma cena de maior carinho e atenção entre um casal de mendigos. Vocês podem estar achando que sou louca, ou  pensando que estou passando por uma enorme carência  por ter  observado  os moradores de rua. Nem uma coisa, nem outra, apenas fiquei encantada e surpresa com a preocupação que o companheiro estava tendo com a sua amada.

Acredito plenamente que toda pessoa apaixonada é uma  pessoa insensata em potencial. Não pensa muito no que é capaz de fazer para ficar perto do seu amor e defendê-lo com unhas e dentes. O hábito de desenhar corações e escrever  nomes nos cadernos ficaram para traz- dando lugar as frases sobre o amor,e divulgados em sites de relacionamento, uma forma atual de  demonstrar o sentimento que sente pelo amado(a), mas para aquela mendicância,  não importa colocar o amor a prova  para os outros, e sim, apenas demonstrá-lo para ambos.

Voltando ao casal de mendigos fiquei um pouco  surpresa e pensei logo  numa frase, “Um amor e uma cabana”. É isso mesmo! Como pode existir amor e companheirismo naquela situação tão degradante? Dormindo debaixo de uma  marquise, perto de um açougue, cobrindo-se  com papelão sem nenhuma assiduidade, mas um se preocupando com o outro. Não resisti a tanta declaração de amor que ele fazia para ela,  entrei no açougue só para continuar participando daquele momento tão histórico. Dentre  muitas palavras de carinho a que mais gostei foi quando ele disse :
_Queria tanto poder te dar um banho quente, uma cama quente, faz tanto tempo que não tomamos um não é mesmo? Ela respondeu com  tanta delicadeza.
_ Não importa meu amor, você consegue me aquecer com seu corpo quente.

Nós mulheres a  partir de uma certa idade, passamos a desconfiar  das palavras de um homem que se diz apaixonado,telvêz por ter passado por várias decepções, o homem está desacreditado,  mas aquele carinho dos dois me mostrou que a gente exige muito  de nós mesmas. A situação  dos pedintes me  apontou,  que não precisa de muito para ser feliz, precisa sim,  de cumplicidade, compreensão não importando o local nem as condições financeiras  e sim, o amor que une um ao outro.

domingo, 10 de julho de 2011

Poesia recitada por mim na casa poema de Elisa Lucinda: Sábado dia 08 de junho de 2011

TEOLOGIA DO TRASTE

As coisas jogadas fora por motivo de traste
são alvo da minha estima.
Prediletamente latas.
Latas são pessoas léxicas pobres porém concretas.
Se você jogar na terra uma lata por motivo de
traste: mendigos, cozinheiras ou poetas podem pegar.
Por isso eu acho as latas mais suficientes, por
exemplo, do que as idéias.
Porque as idéias, sendo objetos concebidos pelo
espírito, elas são abstratas.
E, se você jogar um objeto abstrato na terra por
motivo de traste, ninguém quer pegar.
Por isso eu acho as latas mais suficientes.
A gente pega uma lata, enche de areia e sai
puxando pelas ruas moda um caminhão de areia.
E as idéias, por ser um objeto abstrato concebido
pelo espírito, não dá para encher de areia.
Por isso eu acho a lata mais suficiente.

Idéias são a luz do espírito — a gente sabe. Há idéias luminosas — a gente sabe.
Mas elas inventaram a bomba atômica, a bomba
atômica, a bomba atôm.................................
........................................................... Agora
eu queria que os vermes iluminassem.
Que os trastes iluminassem.


Manoel de Barros

Para mim  participar desde workshop de poesias foi uma descoberta dos meus instintos e da minha capacidade de enfrentar meus medos. Falar poesia de Manoel  de Barros foi a melhor experiência do momento.
 A arte da poesia falada é o melhor meio contemporãneo de recitar os poemas de grandes autores.
Elisa Lucinda encontrou o lugar perfeito para interagir com pessoas que  realmente goste de poesias e que também pode vir a gostar.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Cãozinho viciado

 Eu tinha um cãozinho da raça vira lata, recebeu o nome de Tulio em homenagen ao jogador de fultebol.
Tulio era muito  esperto e muito inteligente. Quando estava com sede e sua vasilha estava sem àgua,  ele não perdia tempo,  ia até ao banheiro e ficava olhando para o vaso sanitário e  pronto, dali não saía , era um aviso para saber que ele queria água.

Tulio não comia outro biscoito a não ser recheado de chocolate, e não saia de dentro de casa. Não gostava de banho, isso era seu maior tormento , pois, quando eu  pegava a mangueira ele já sabia que era hora da sua higiene semanal e corria,corria muito sem ninguém conseguir pegá-lo.
Ele só fazia suas necessidades na rua era bastante educado. Me levava todos  os dia no ponto do ônibus e só voltava para casa quando eu ia embora. Me fazia pagar micos porquê, um dia ele me levou no ponto de ônibus no domingo em que eu estava indo para a praia, ele sabia que eu não ia trabalhar. Eu esperei  minha condução sentada no ponto, ele ficou lá quietinho, quando chegou meu õnibus dei um adeus para ele, mas ele não foi embora, entrou junto comigo, eu mandava ele sair e ir embora mas nada, ele queria ir comigo.Acreditem amigos! ele não desceu enquanto eu não desci e trouxe ele de volta, ainda tive que ouvir as ladahinhas dos passageiros,  Leva o Tulio para a praia! leva, leva...

Um dia Tulio se revoltou sem a gente saber o porquê. Todas as noites o cãozinho chorava - e chorava muito. Os vizinhos já estavam reclamando e eu não sabia o que fazer. Resolvi soltá-lo e abri o portão para que ele fosse para a rua. Tulio foi feliz da vida, passou a noite na rua e  voltou de manhã. Dormiu o dia todo que passou ser  uma rotina na vida deste cão. Ele não me levava mais no ponto, não gostava de brincar, pois só dormia, dormia o dia inteiro.

Os meses se passaram e Tulio continuava com suas saídas sem a gente saber o que ele fazia. Resolvi segui-lo pois, já estava preocupada com meu cão. Abri o portão, ele saiu, fui atrás de Tulio e descobri o que o safadinho estava fazendo. Fiquei de boca aberta e surpresa,  devido não saber que aquilo que eu estava presenciando acontecia também, com os animais. Gente! ele estava fumando maconha! isso mesmo! fumando maconha. Ele chegou até a boca de fumo ficou deitado perto do rapaz que estava vendendo o produto. O  vendedor além de vender o vício usava e acariciava  os pelos do  meu cãozinho soltando baforadas na cara do Tulio. Eu comecei a chamar Tulio! Tulio! e nada , ele nem deu bola para mim, só voltou de manhã.

 O tempo se passou e Tulio continuou com suas saídas e seu vício, não passava mais as noites em casa. Um dia como era de costume, Tulio chegou de manhã e dormiu o dia todo mas não acordou mais. Morreu de overdose.Triste saber que o vício é capaz de matar tb os animais

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Os filhos se metem na vida dos pais sem pedir licença.

As mães carregam por nove meses uma barriga que vai crescendo a cada mês , sentem enjoos mas não desistam  de dar ao pequeno ser, toda sua proteção. Ainda na barriga os filhos  já começam a dar despesas,  pois, tudo o que a mãe  vê, compra para quem ainda está para chegar, com desejo de que seus filhos sejam suas maiores conquistas, seus maiores sonhos.

Os pais abrem mão de tudo  para se doar aquele pequenino filho que nasceu, aquele filho, que veio ao mundo para alegrar suas vidas. Os pais não mais tomam decisões sem antes pensar naquele que é tão dependente, tão especial. Eles chegam na vida dos pais sem mesmo pedir licença, ocupam todo o seu tempo. Choram sem mesmo saber porque, mas os pais, estão sempre  bajulando-os, sempre  preocupados.

Quando os filhos começam a andar os pais perdem o sussego, não conseguem mais nem ler um jornal, não assiste mais seus programas favoritos, não conversam mais com seus companheiros e amigos , pois,  estão sempre atentos para que, os seus filhos, não façam nenhuma besteira.

Quando vai para o seus primeiros dias de aula, os pais,  perdem dias de trabalho, para que  os filhos não fiquem perdidos naquele mundo desconhecido. Mas o tempo passa e os pequeninos crescem e não mais precisam daqueles que lhes dedicaram todo o seu tempo.

Já crescidos,  os filhos começam  a ter sua independência indo as festas sem que seus pais precisem pegá-los na porta,  pois,  é pagar mico se forem visto junto aqueles que são seus verdadeiros amigos. Revoltam-se contra os pais se acaso ousam alguns comentários inesperados. Trocam seus pais por alguém que nunca fez nada por eles com a maior facilidade.

A cada ano que passa os pais sabem menos da vida dos filhos não conseguindo dialogar com eles. Quando os pais tentam conversar os filhos os chama de chatos,de velhos, dizem que só sabem reclamar e ainda diz para não meter  na vida deles. Quando chegam tarde se quer dar uma satisfação, no entanto  quando precisam de dinheiro são sempre os chatos é que os ajudam, que pagam suas contas,  mas os pais, não deixam em nenhum momento de ajudá-los e nem de se preocupar com eles.

Os pais não se metem na vida dos filhos,  porquê são os filhos, que  se metem na vida dos pais sem mesmo pedir licença. Os pais nunca se arrependem de ter dado a liberdade para que eles mudassem suas vidas. Os pais que não se metem na vida dos filhos não conseguem fazer deles, grandes homens, grandes mulheres que triunfam na vida para que sejam capazes de amar como "seus pais".

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Mulher submissa.


O que devemos fazer quando presenciamos uma mulher sendo espancada pelo marido completamente alcoolizado? Pergunto isso porquê foi depois de uma denuncia da irmã da dona de casa Nilda Araújo Pereira ,cansada de ver a irmã sendo agredida pelo marido entregou o cunhado. Diante desta denuncia o marido espancou ainda mais a esposa, mantendo ela e os  filhos como refém, e ainda tentou colocar fogo na casa, não conseguindo, pois, houve a intervenção do amigo policial, do pedreiro.

 A notícia está em todos os jornais e chama a atênção para que  fatos como este, tão evidentes, sejam tratados com mais  delicadeza, pois, quando achamos que estamos ajudando na verdade podemos atrapalhar. A mulher depois de uma denuncia deveria ter mais segurança e proteção da polícia  para que não aconteça algo pior. Na verdade quem bate uma vez com certeza vai repetir a dose.



A mulher ainda tem muito medo do companheiro violento,a maioria acredita que ele vai mudar e  não suporta a idéia de perde-los. Tem muitas mulheres sendo espancada e não fazem nada. Com isso, essas mulheres agredidas, acabam perdendo o amor próprio, levando sua alta estima as escuras. Elas não conseguem reagir a violência dentro de casa, talvez seja por medo  de não conseguir sustentar seus filhos, por submissão ao companheiro, assim, são agredidas cada dia mais. 

Muitas pessoas não conseguem entender o que leva uma mulher aceitar ser espancada e não fazer nada para melhorar a situação em que vive.Acredito que críticas negativas não vai ajudá-las e sim, o que podemos fazer é  insentiva-las a denunciar o agressor e o melhor seria se  afastar dele. Sei que parece difícil mas ouvi-las seria um conforto para quem está  tão fragilizado.  Vamos ajudar estas mulheres?

Bipolaridade

Hoje vamos falar de uma doença muito séria que etá afetando muitas pessoas,uma doença que vem de muito anos mas só agora está em evidência. O transtorno bipolar do humor, mais conhecido como distúrbio bipolar, ela é uma doença caracterizada por episódios repetidos, ou alternados, de mania e depressão Uma pessoa com transtorno bipolar está sujeita a episódios de extrema alegria, euforia e humor excessivamente.



Este  distúrbio bipolar tamabém chamado de depressão maníaca foi inicialmente descrita em fins do século XIX pelo psiquiatra Emil Kraepelin,  publicando seu conhecimento da doença em seu Textbook of Psychiatry. Segundo o psiquiatra existem várias variações do distúrbio bipolar como:

  • TIPO I: Predomínio da fase maniaca com depressão mais leve (distimia).
  • TIPO II: Predomínio da fase depressiva com mania mais leve (hipomania).
  • MISTA: Quando os episódios possuem várias características tanto de mania quanto de depressão
  • CICLOS RÁPIDOS: Quando os episódios variações humor duram menos de uma semana.
  • CICLOTIMIA: Os sintomas são persistentes por pelo menos dois anos, períodos em que sintomas de hipomania são leves e depressão ou distimia não são tão profundos.

 Na verdade a bipolaridade pode vir a se manifestar nos dois pólos da doença: depressão e mania e não por mudança de humor diários.Atualmente  há remédios de última geração que controlam com sucesso qualquer alteração de humor para esses dois pólos da doença mas deve ser contínuo. O portador deste distúrbio deve ter um acmpanhamento médico e não sair da rotina. Não deve se estressar, nem usar álcool .Uma pessoa bipolar tem que aceitar sua doença para que as pessoas ao seu redor possam ajuda-lo. Se você conhece alguém ou paticipa da vida de um portador deste distúrbio divida conosco o seu problema. Aqui você pode falar e terá nosso apoio através dos debates em comentários.Seja bem vindas no "Fale Mulher"
.